Stadia. Streaming de games do Google

OTT de jogos eletrônicos é anunciado pelo Google

O Google apresentou na última terça-feira, 19/03, seu projeto de entrada no mercado de Streaming de Games, o Stadia. O pronunciamento foi feito pelo CEO da companhia, Sundar Pichai, durante a GDC 2019 – Game Developers Conference.

Em resumo, no Stadia os jogos podem ser acessados por meio de qualquer tipo de dispositivo – como Smartphone, SmartTVs, computadores, tablets. – onde tudo fica armazenado na Nuvem.

A empresa aposta tanto na tecnologia de streaming que desenvolveu que diz ser possível ao usuário jogar e, ao mesmo tempo, transmitir par ao Youtube sua partida, sem engasgos, em 4K.

Elementos como a velocidade e o tipo de conexão ainda são variáveis a serem consideradas para entregar a qualidade do serviço.

 

EXPERIÊNCIA E QUALIDADE

Com este poderio de infraestrutura, a plataforma entregará jogos com resolução até 4K, em 60 fps, cores HDR e som surround, sendo que uma resolução em 8K a 120 fps também foi mencionada para um futuro um pouco mais distante.

A AMD será a fornecedora do hardware usado pelo Google no data center para prover a aceleração gráfica. A fabricante criou uma GPU com 10,7 teraflops de capacidade de processamento, batendo o poder gráfico do PlayStation 4 Pr e do Xbox One X, dois consoles da geração mais recente de videogames. Cada máquina do Stadia terá ainda um processador x86 de 2,7 GHz e 16 GB.

Majd Bakar, chefe de engenharia da plataforma, contou que a Google vai usar mais de 7.500 servidores para o projeto.

Com hardware extremamente poderoso, vai ser possível jogar diretamente da nuvem, sem a necessidade de consoles ou da instalação de jogos em lugar algum. Para que a jogabilidade seja sempre a melhor possível, esses servidores são distribuídos por toda parte de maneira que sempre haja um deles perto de todos os jogadores.

 

INFRAESTRUTURA DO STADIA

A arquitetura do Stadia foi construída tendo como base a rede de datacenters da Google. A mesma que é usada para realizar as buscas da ferramenta mais popular da companhia, onde é possível se obter informações em questão de milissegundos. Uma rede composta por cabos submarinos e links de fibra óptica espalhados pelo mundo todo. O Google promete entregar maior capacidade o mais próximo possível do usuário.

“O Stadia é construído em uma infraestrutura que ninguém mais tem, e que resulta no melhor desempenho”, declarou Harrison.

Para o sucesso do projeto, o edge computing dos 7.500 nós da empresa será determinante para reduzir a latência. Servirá como as redes de distribuição de conteúdo (CDN) que atualmente beneficiam a experiência dos serviços OTT.

E aqui destacamos que o Google conta com parceria com operadoras para a interconexão e uso de CDNs. A conexão aos pontos Google Global Cache pode ser solicitada pela própria operadora de rede ou provedor de Internet na página da GGC: a companhia envia os servidores para instalação na rede, ajudando ainda a configurar e iniciar o serviço.

No entanto, os PoPs edge da rede do Google estão presentes em 90 pontos de troca de tráfego (PTTs) e em mais de cem locais de interconexão no mundo. No Brasil em particular, a empresa conta apenas com PoPs em São Paulo e no Rio de Janeiro. Porém, o único data center próprio do Google na América do Sul está localizado em Santiago, no Chile.

 

PROVEDORES REGIONAIS | REDE

Durante o evento, não foram feitas referências às operadoras e provedores de acesso banda larga, embora tudo dependa de uma conexão estável à internet. O Google não disse quantos Mbps um acesso precisará ter, nem a latência ideal.

A empresa afirmou, no entanto, que os ISPs terão acesso a um backbone do Google, pelo qual serão transmitidos os dados dos jogos. O fluxo não passará pela internet aberta, e será direto entre os servidores da companhia e o provedor de acesso.

 

INTEGRAÇÃO COM YOUTUBE

Para os usuários que estiverem assistindo um vídeo sobre um game, poderão iniciar uma partida imediatamente. A promessa é que haja um sistema de remuneração aos desenvolvedores, que pague pelos jogos mais acessados – a exemplo do que acontece com a divisão da verba publicitária entre Youtube e criadores de vídeos.

Diferente do Youtube, no entanto, a previsão é atrair os maiores desenvolvedores do planeta. Entre os parceiros anunciados está a Ubisoft, desenvolvedora do jogo Assassins Creed, um dos primeiros a rodar no Stadia, e a iD, criadora do game Doom. Mais de 100 estúdios já receberam o kit de desenvolvimento. Um game studio chamado Stadia Games também foi criado para o desenvolvimento de jogos próprios e exclusivos.

Durante a apresentação ficou claro que o Google espera fazer dessa uma importante fonte de receita. Pelos cálculos da empresa, há mais de 2 bilhões de jogadores no mundo que poderiam recorrer ao Stadia.

“Chegamos a um novo desafio: construir uma plataforma de games acessível por qualquer pessoa”, pontuou Pichai.

Pelo projeto, os servidores da companhia se tornam uma potente plataforma de desenvolvimento de jogos eletrônicos. Os desenvolvedores terão acesso a ferramentas e ao poder computacional dos servidores para criar seus games. Surgindo uma forma de geração de receita sobre essa potência, que atualmente abastece os serviços próprios  B2B da companhia.

 

Após o lançamento, estaremos publicando nossas primeiras impressões sobre a Plataforma aqui no nosso BLOG.

 

Fonte: Teletime | TecMundo | Telesíntese | MHemann




Quer saber tudo sobre a Operação de Telefonia Fixa? Confira o nosso novo editorial que trata do assunto com especialistas do assunto.


 

onclick="ga('send', 'event', 'botao', 'clique', 'whatsapp'); onclick="ga('send', 'event', 'botao', 'clique', 'formulario');