O Brasil conta hoje com 30 IX.Br (Pontos de Internet Exchange) que estão vinculados ao NIC.BR. No último mês (setembro), este grupo de IX atingiram um pico de aproximadamente 6 terabits de tráfego. Dos quais cerca de 80% foram de dados relacionados ao Ponto de São Paulo, maior aglomerado do país ainda, mesmo com os recentes esforços para a descentralização do fluxo existente no PTT SP.

A principal causa desta crescente está relacionado há mudanças no comportamento dos usuários conforme informações dadas pelo membro do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br), Antônio Galvão Rezende Filho.

 

Para que possa fazer uma comparação, em junho de 2017, o Pico registrado no Brasil foi de 3 Terabits de tráfego, quando o país ainda tinha 27 Pontos de Troca.

 

Outro fator importante ressaltado por Rezende Filho, foi que, estas capacidades vem sendo suportadas graças aos esforços dos Provedores Regionais presentes no sistema.

 

 “O volume de tráfego de dados vem crescendo 80% ao ano e de forma acentuada nos grandes centros”, ressaltou Rezende Filho em um debate sobre a capacidade dos provedores de atenderem esta demanda. 

 

A mudança de comportamento do usuário, segundo ele, também se refletiu no tráfego: se antes o pico maior era em horário comercial, agora ocorre por volta das 22h30, indicando um aumento de streaming, de downloads de vídeos, música etc. pelo usuário doméstico. Estes números foram todos apresentados durante o Congresso Brasileiro de Data Centers e Infraestrutura Cloud, realizado neste mês de novembro, em São Paulo. 

 

Mesmo fora deste pico de trafego, o volume está em média acima de 5 terabits por segundo. Praticamente o dobro observado no mesmo período do ano passado.

 





Outro representante de instituição que esteve presente no evento, foi o presidente da Abranet, Eduardo Parajo. Eduardo foi um dos debatedores do painel, onde pode recordar que últimos 4 anos, os provedores regionais e as pequenas prestadoras investiram muito em conectividade, optando por fibra óptica e redes como FTTX. Os data centers, acrescentou ele, também aumentaram muito sua capacidade armazenamento. 

 

“Os provedores e as pequenas prestadoras se guiam pelo mercado. Eles sabem que precisam investir para aumentar e manter seus clientes. Sem uma infraestrutura de qualidade, que suporte o aumento de tráfego, eles não conseguem se manter competitivos no mercado”, destacou. 

 

Em sua avaliação, na ponta, as prestadoras de pequeno porte estão preparadas para este aumento crescente de tráfego.

 

“O que falta é maior número de empresas de transporte de dados de longa distância”, disse. No agronegócio, por exemplo, com o uso crescente da internet das coisas (IoT), há uma preocupação de como levar os dados para os data centers, exemplificou.



O alcance de 6 terabits no trafego é apenas a “ponta do iceberg” sinalizou Parajo – visão compartilhada por Célio Mello, gerente de Produtos e Projetos Estratégicos da Eletronet, outro debatedor do painel.

 

“Trata-se de um movimento irreversível pois há uma mudança de comportamento em curso, com o usuário de internet hiper conectado, sempre no modo on”, disse.

 

Fonte: MHemann | NIC.br  | 




 

 

 


 

Quer saber tudo sobre a Operação de Telefonia Fixa? Confira o nosso novo editorial que trata do assunto com especialistas do assunto.

 


Sobe a velocidade média de conexão na banda larga fixa no Brasil

OpenCDN, do NIC.br e CGI.br, em Salvador já está em operação!

NIC.br e Eletronet ampliam a capacidade de PTT em São Paulo

PTT Fortaleza é anunciado como possível segundo IXP mais importante do país