Brasil alcança Pico de 27 PTTs (pontos de troca de tráfego) em medição do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br), e ultrapassa marca de 3 Terabits por segundo.

 

A medição do IX.br (medição no link) aponta resultados de todos os Pontos de Interconexão (PIX) do país, mas o maior peso no tráfego é de São Paulo, que responde por mais de 80% do total. Para compararmos o resultado, o total de PTTs de São Paulo fica em 4º no Ranking Mundial em termos de Capacidade de Tráfego, atrás apenas dos Pontos de Troca em Amsterdã, Frankfurt e Londres, respectivamente.

agregado_bps1-daily1 IX.br

 

Embora o Brasil tenha alcançado ótima colocação em PTTs, o resultado mostra que o restante do país detém apenas 20% do total de Pontos de Tráfego. Essa concentração acaba distanciando os usuários de regiões mais afastadas do CDNs em centros onde acontecem picos como o da Capital Paulista.

 

E a Solução para o problema?

Com objetivo de descentralizar e baratear o custo dessas Redes de Distribuição de Conteúdo, o NIC.br inicia em julho, um projeto piloto de Open CDN em Salvador. O projeto já conta com adesão de 10 Sistemas Autônomos do Estado da Bahia e 3 fornecedores de conteúdo, Akamai, Google e Netflix.

 

O diretor do NIC.br, Milton Kashiwakura, afirma que no modelo Open CDN os custos de conexão são divididos entre operadoras e provedores. Os donos de conteúdo pagam pela hospedagem dos CDNs; e o NIC.br se encarrega da administração da rede.

FONTE: TeleSíntese

onclick="ga('send', 'event', 'botao', 'clique', 'whatsapp'); onclick="ga('send', 'event', 'botao', 'clique', 'formulario');